Checklist do primeiro imóvel: tudo que você precisa saber para acertar na hora da compra

A compra do primeiro imóvel é um grande passo na vida de qualquer pessoa, além de ser objeto de consumo para muitos. Segundo as estatísticas de mercado da URBS-RT Lançamentos Imobiliários, diferente de países desenvolvidos, nos quais se muda de imóvel cerca de oito vezes ao longo da vida, o brasileiro, em média, só faz isso aproximadamente 1,8 vez. 

Por ser uma transação que envolve grande investimento, deve-se estar atento a todas as especificidades da compra. Organização e planejamento são fundamentais neste processo. 

Confira o checklist que a MIP Edificações preparou para te ajudar nesse processo tão delicado que une emoção, oportunidade e alto valor de investimento. 

  1. Faça um roteiro e planeje cada passo da sua nova jornada 

Antes da compra de qualquer imóvel é preciso ter planejamento. Siga um roteiro simples de dois passos. O primeiro é pensar qual tipo de imóvel atende às suas necessidades, desde sua metragem até os mínimos detalhes do acabamento. Após compreender suas expectativas, a pesquisa entra como um fator fundamental nesse processo. Leve também em conta os preços médios de mercado, a localização e facilidades de locomoção.

O segundo passo é visitar o imóvel, conversar com consultores, corretores e vizinhos na região. Muitas vezes, essa etapa é ignorada por investidores. Entretanto, ela é fundamental tanto para confirmar informações quanto para se certificar se o imóvel atende às suas reais necessidades. 

Caso opte por adquirir um imóvel ainda na planta, é preciso ser racional na hora da aquisição. Antes da decisão de compra, avalie a capacidade de pagamento e entenda as possibilidades de valorização no futuro. Uma das vantagens da compra é que, em empreendimentos de alto padrão, as plantas são moduláveis e podem ser ajustadas de acordo com as observações do proprietário. 

  1. Analise o imóvel com olhos de investidor 

Após cinco anos de estagnação, o mercado imobiliário volta a se aquecer em 2019. Segundo os dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliária (Abrainc), nos últimos cinco meses, foram lançados cerca de 28.787 unidades no mercado, 5% a mais do que o mesmo período de 2018. 

O dado indica o momento ideal para compra de imóveis. Além do alto potencial do valor por investimento, um empreendimento está imune à quebra de bancos, isto é, a chance de perda no valor é mínima. Outro ponto é analisar se a localização é estratégica, seus diferenciais arquitetônicos e tecnológicos que aumentam a valorização do empreendimento no futuro. 

  1. Avalie a possibilidade de valorização do imóvel no futuro 

A valorização do imóvel está interligada a uma série de fatores: localização, design, segurança da região, entre outros. Entre os fatores citados, a localização possui maior relevância. Por exemplo, observar o crescimento urbano e para onde ele se direciona é um dos principais fatores que irá influenciar no valor futuro do empreendimento. 

Outro fator é a presença de comércio local e vias de acesso rápido, o que são sinônimos de qualidade de vida para muitos. Além disso, opções de esporte, saúde e lazer próximas ao imóvel também são aspectos considerados importantes. 

Por fim, o aporte tecnológico do imóvel é considerado um grande diferencial de mercado, como interfone nas portarias, porteiro eletrônico ou contratado, portão eletrônico, circuito interno de TV. Além de agregarem valor ao imóvel, esses itens fomentam a segurança do local. 

  1. Entenda qual tipo de financiamento imobiliário cabe no seu bolso

Nem sempre é possível quitar o apartamento à vista, por isso, o financiamento imobiliário é uma saída inteligente para aqueles que desejam obter seu primeiro imóvel. Com as taxas de juros mais baixos e boas condições de parcelamento, ficou ainda mais fácil. 

Mas, antes da decisão final, recomenda-se a ida ao banco para uma simulação do futuro financiamento. Assim, o comprador irá evitar futuras surpresas, como juros e valor das parcelas.  Outro ponto é compreender qual tipo de financiamento é o ideal e, para isso,  faça uma pesquisa prévia das modalidades existentes no mercado. 

Entre as modalidades mais procuradas está a Carta de Crédito FGTS, que permite a compra de imóvel novo ou usado, construir ou reformar. O saldo do FGTS pode ser utilizado para a compra, abatimento do saldo ou amortização. Já a linha SFI é destinada para pessoas que buscam imóveis que requerem investimentos mais altos, acima de R$ 950 mil reais. 

O SFI não requer um valor máximo para o investimento, e o financiamento pode chegar até a 90% do valor total do imóvel. Além disso, o prazo para quitação da modalidade é de no máximo 35 anos, e os juros variam de 12% a 16% ao ano. 

  1. Considere o valor do condomínio 

Além do preço de mercado, outro fator relevante a ser avaliado na hora de fechar o contrato é o valor do condomínio. Isso porque a taxa condominial deverá ser quitada pelo proprietário mensalmente, isto é, uma despesa fixa durante todo o período de posse do imóvel.

O valor dessa taxa é calculado conforme as necessidades do imóvel, isto é, a soma das despesas com manutenção, conservação e segurança do local. Assim, quanto maior a quantidade de moradores no condomínio, mais barata será a taxa mensal. 

O conjunto desses fatores citados acima somam a série de cuidados que devem ser observados na hora da compra de um imóvel. É preciso de muito planejamento e organização durante todo o processo, já que o investimento une tanto processos burocráticos quanto  especificidades e necessidades de cada comprador até a escolha final de compra. 

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe nas redes sociais e deixe seu comentário. Assine nossa Newsletter para mais novidades e conteúdos personalizados.

Compartilhe:

Outras publicações

Tendências de Decoração para 2024: Elegância com Peach Fuzz
Veja mais
O momento Ideal para Adquirir seu Imóvel
Veja mais
Decoração funcional: como otimizar seu espaço
Veja mais
O Bem-Estar de Morar Perto de Áreas Verdes
Veja mais
Ligamos para você
Fale conosco
Whatsapp